WordPress – Guia do Publicador de Conteúdo

Este excelente manual desenvolvido pelo Fabiano Rangel (um dos “papas” de WordPress no Brasil), explica as funcionalidades básicas de gerenciamento do WordPress.

Segundo o Fabiano, o manual encontra-se desenvolvimento, porém  nesta versão já é possivel entender boa parte das opções disponibilizada na área administrativa  e breve será lançado a versão oficial do manual incluíndo a explicação do sistema de widgets.

Baixar a versão atual do manual: Clique aqui ou aqui.

Acompanhe diretamente no site do Fabiano as últimas versões.

W3C 2.0

Já encontra-se disponível em português a versão 2.0 das Diretrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web, documento que constitui recomendação do World Wide Web Consortium desde 11 de Dezembro de 2008.

Nove anos depois da versão 1.0, as diretrizes agora publicadas conquistam um maior leque de tecnologias e a validação de conformidade é também definida com maior objetividade.

As WCAG 2.0 encontram-se atualmente disponíveis em inglês (original), húngaro e português. O português torna-se o terceiro idioma a dar forma de letra às WCAG 2.0.

Versão original do WCAG 2.0.

Versão do WCAG 2.0 em português.

Resultado de dois bancos distintos em apenas um SQL

=================================================================
Howto: Como realizar a busca em dois bancos distintos e unir o resultado em apenas um SQL?
=================================================================

Primeiro o problema:
Você precisa fazer uma busca em dois bancos de dados e mostrar o resultado em um lugar só, isso porque você tem partes dos dados em um banco e o restante dos dados em outro banco, e por motivo estrutural, burocrático… sabe-se lá porque…. você não pode unir tudo em um único database.

Solução:
Você pode unir dois resultados (inclusive de drivers/bancos que estejam na mesma conexão) em um unico result, mesclando os dados. Para isso deve-se utilizar a estrutura UNION.

Analisemos a seguinte query:

SELECT cod, nome, idade FROM pessoas
SELECT codigo, nome_completo, idade FROM pessoas_nao_cadastradas

Primeiro, você deve ter resultados iguais para cada select, para isso use alias para igualar os resultados.

SELECT cod, nome, idade FROM pessoas
SELECT codigo AS cod, nome_completo AS nome, idade FROM pessoas_nao_cadastradas

Agora, basta você usar o UNION entre os dois selects:

SELECT cod, nome, idade FROM pessoas
UNION
SELECT codigo AS cod, nome_completo AS nome, idade FROM pessoas_nao_cadastradas

Já, agora você tem o resultado de dois bancos de dados mesclados em um só.

E como fazer um LIKE (WHERE)?

Você deve fazer um WHERE ou nos dois SELECTs ou fazer um SELECT que totaliza os dois:

SELECT xyz.* FROM (
SELECT cod, nome, idade FROM pessoas
UNION
SELECT codigo AS cod, nome_completo AS nome, idade FROM pessoas_nao_cadastradas

) xyz WHERE nome = 'Paulo'

Selecionando objetos com Jquery

Com base neste artigo, ficou fácil fazer com que determinada coluna em uma tabela alternasse a cor, de acordo com o valor recebido.

No meu caso, tinha uma coluna com datas(dataPrazo), e queria que essas datas ficassem verde ou vemelho de acordo com a data atual. Simples:

//Para colorir a dataPrazo pelo conteudo
 $("#tabela").find('.dataPrazo').each(function(i){

  if($(this).html().length > 0){

   var dataPrazo = $(this).html();
   dataPrazo = dataPrazo.replace(/(d+).(d+).(d+)/, "$3/$2/$1"); //modifica string para yyyy/mm/dd

   $(this).css('color', (new Date(dataPrazo) < = new Date()) ? 'red' : 'green');
  }

 }); 

Claro que é necessário ter uma tabela e coluna identificada né:

<td class="dataPrazo"/>
<table border="1" id="tabela"/>

A mágica toda esta na função “each” que permite que percorra cada elemento(representado por “this”) retornado pelo seletor $.

Foi útil pra você? Deixe um comentário….

The manuals – Quase 6 milhões de manuais

Esta ai algo super interessante.  O site the-manuals.com é um buscador de manuais de diversos temas. Você pode encontrar aquele manual perdido de seu telefone celular, do controle remoto universal que você não consegue configurar, o manual de reparação de seu carro, e muito mais, nos mais diversos formatos.

Na verdade é uma adaptação do script de busca do Google que filtra os sites e formatos determinados para obter uma busca .

Link: http://the-manuals.com/

Iptables para organizar suas Máquinas Virtuais

========================================
HowTo: Iptables para organizar suas Máquinas Virtuais
========================================

Problema:

Imagine a seguinte situação. Você têm uma máquina física com uma boa quantidade de memória, um disco de tamanho razoável, e deseja transformar essa máquina em um servidor de máquinas virtuais, instalando um Linux de responsa para isso, o CentOS.

Essa máquina física irá armazenar diversas máquinas virtuais (Vmware), porém você já tem um parque de máquinas em sua rede, tudo configurado bonitinho e tal.

Uma alternativa é criar as máquinas virtuais(VM´s) em Bridged, porém ao fazer isso suas VM´s passarão a ficar misturadas com suas outras máquinas de seu parque principal.

Outra alternativa é você criar as VM´s como Nat, deixando a máquina física (hospedeira) definir os IP´s das VM´s. Essa é das maneiras mais indicadas, pois suas VM´s ficam isoladas de seu parque de máquinas principal, porém a partir delas é possível acessar sua rede, e vice-versa.

Vamos a receita.

========================================

1. Instale o CentOS em sua máquina física normalmente. Coloque-a em seu parque de máquinas já existentes, atribuindo um IP da sua rede.
(Pode seguir um bom tutorial, como do http://howtoforge.com/)

2. Instale o VmWare
(Aqui tem um tutorial legal de como fazer: http://www.cyberciti.biz/)

3. Depois de instalado o VmWare, e criado suas máquinas virtuais (isso você já deve saber), todas como NAT nas configurações de rede, é hora de configurar o Iptables de sua máquina física.

4. Execute isso no terminal de sua máquina física.

# vi /etc/init.d/firewall.sh

Entre com o código abaixo, editando conforme seu parque de máquinas virtuais.


#!/bin/bash
# chkconfig: 2345 95 20
# description: Regras de redirecionamento
# What your script does (not sure if this is necessary though)
# processname: firewall.sh

prog="firewal"

echo 1 >> /proc/sys/net/ipv4/ip_forward

#limpa tables nat
iptables -t nat -F

#mascara trafego pras vm
iptables -t nat -A POSTROUTING -d 172.16.117.0/24 -j MASQUERADE

#redireciona porta para as respectivas maquinas virtuais.

#SSH da VM de banco:
iptables -t nat -A PREROUTING -p tcp --dport 221 -j DNAT --to 172.16.117.129:22

#Oracle da VM de banco:
iptables -t nat -A PREROUTING -p tcp --dport 1521 -j DNAT --to 172.16.117.129:1521

#Apache (httpd) da VM de banco
iptables -t nat -A PREROUTING -p tcp --dport 70 -j DNAT --to 172.16.117.129:80

#Tomcat da VM de banco
iptables -t nat -A PREROUTING -p tcp --dport 7070 -j DNAT --to 172.16.117.129:8080

#RDP (Remote Desktop da VM Windows)
iptables -t nat -A PREROUTING -p tcp --dport 3389 -j DNAT --to 172.16.117.128:3389

5. Após salvar, e sair da edição, é hora de transformar o script em executável:

# chmod +x firewall.sh

6. Colocando o script para iniciar automaticamente:

#  chkconfig –level 2345 firewall.sh

7. Pronto, feito isso sempre que quiser adicionar uma novo redirecionamento basta executar este comando:

# echo iptables -t nat -A PREROUTING -p tcp –dport numero_porta -j DNAT –to ip_da_maquina_virtual:porta_da_maquina_virtual >> /etc/init.d/firewall.sh

Reinicia o script:
# /etc/init.d/firewall.sh stop
# /etc/init.d/firewall.sh start

8. Feito, dessa maneira quando se quiser acessar determinado serviço de uma máquina virtual, é só chamar o ip da máquina física passando a porta configurada.

Por exemplo,  imaginemos que a máquina física tenha o seguinte IP: 192.168.0.10, e a mesma foi adicionada em seu servidor de DNS com o nome de vm.dominio.com.br.

Você quer acessar o a Área de trabalho remota de sua máquina virtual Windows que esta dentro do servidor vm.dominio.com.br, veja como fazer.

Se estiver utiizando uma estação Windows, em qualquer lugar de seu parque, basta ir em:

# Botão Inicia/Executar
# digitar: mstsc

Se abrirá uma janela pedido o ip ou nome da máquina, ai basta você entrar com o nome da máquina física, não precisa nem passar a porta, porque ele já vai enviar a requisição na porta padrão do serviço de terminal server (3389).

Então é so digitar: vm.dominio.com.br ou o IP, 192.168.0.10. Se vc estiver utilizando o Linux, procure pelo programa RDesktop

Outro exemplo, digamos que você queira acessar o Tomcat da máquina de banco de dados, basta de qualquer estação da sua rede, através do browser, chamar a máquina física passando a porta configurada no arquivo firewall.sh:

vm.dominio.com.br:7070

É isso ai, espero que tenha sido claro nas explicações.

Serviço de configuração zero – WZC – Wireless Windows

Se por algum motivo, seu Windows deixar de mostrar as redes sem fio disponíveis, mesmo você tendo absoluta certeza que esta dentro da área de cobertura, tente desabilitar e reabilitar o Serviço de configuração zero WZC.

Para parar o serviço:
%windir%\system32\net.exe stop wzcsvc

Para iniciar o serviço:
%windir%\system32\net.exe start wzcsvc

Faz assim:

Menu Iniciar – Executar e digite o comando abaixo para parar o serviço:

  • net.exe stop wzcsvc

Menu Iniciar – Executar e digite o comando abaixo para iniciar o serviço:

  • net.exe start wzcsvc